22 de abril de 2021

    Resiliência Digital na Era da Informação

    Tão importante quanto proteger os dados, é necessário também um rápido tempo de resposta em caso de ataque

    Desde que o homem começou a evoluir e viver em sociedade, sempre houve algo que mostrava quem tinha mais poder. Nas civilizações antigas, o mais forte era o que dispunha de mais recursos naturais, passando para quem tinha mais terras e depois para o mais rico. Essas coisas, principalmente o dinheiro, ainda remetem a quem tem mais poder, mas, hoje em dia, há algo muito mais importante que o resto: a informação.

    Quem consegue coletar mais informação, e sabe usá-la de modo eficiente, sai em vantagem, seja em disputas internacionais, seja em um mercado de startups. Isso levou também a um não tão novo problema, que é o roubo de informação. Sempre houve e sempre haverá quem roube informações ou ataque algum lugar específico para benefício próprio. Hoje em dia, ficou tanto mais fácil quanto mais difícil, por mais ambíguo que isso soe.

    Com o avanço da tecnologia, especialmente nos últimos anos, houve um aumento de empresas que se especializaram em proteger informações, mas, como tudo hoje em dia é conectado, um ataque em um ponto específico pode gerar efeitos muito maiores. Com essa possibilidade, entra a resiliência da informação.

    Para se ter uma noção de o que é resiliência, é só pegar a série de filmes Rocky. O personagem Rocky Balboa é a definição de resiliência, que é a capacidade de se adaptar rapidamente aos problemas que são jogados a ele. Segundo o dicionário, resiliência é a capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças.

    A resiliência da informação seria, então, o quão rápido uma empresa consegue dar a resposta após um ataque ou catástrofe. Como é impossível barrar todas as tentativas de ataque, é primordial ter planos de contingência para emergências. Precisar ter esses planos não é uma ideia nova, mas hoje os hackers são tão avançados que é necessário mais que uma boa defesa, precisa-se também de um forte “contra-ataque”.

    Um hospital, por exemplo, que, por qualquer motivo que seja, perca sua conexão por alguns instantes, mas se recupere rápido, não deverá sofrer grandes danos. Porém, se não tiver um bom plano de contingência, e fique fora do ar por um longo período, a vida dos pacientes entre em risco.

    Indo para um exemplo menos drástico, se uma empresa sofre um ataque cibernético e fica muito tempo sem recuperar seus dados, ou nem consegue recuperá-los, ela perde projetos, planos, e, mais importante, investimento. As formas de conseguir se recuperar nessas situações são várias, desde investimento em equipamentos de proteção de nuvem e borda (lugar em que os dados são mais vulneráveis), até empresas que fornecem essa proteção como serviço.

    Um dos meios mais práticos para a movimentação de dados dentro de uma empresa, no mundo do home office, é o investimento no armazenamento em nuvem. A nuvem permite que a empresa solte rapidamente a informação entre seus funcionários, não importando onde eles estão – contanto que tenham acesso à internet, claro -, e a opção de nuvens híbridas facilita ainda mais esse processo, movendo os dados entre nuvens públicas e privadas facilmente.

    Além da nuvem, temos também o bom e velho backup (aquele que seu WhatsApp faz todo dia de madrugada). Quando bem protegidos, são de vital importância para uma empresa, já que conseguem guardar a informação e eles auxiliam na rápida ação após uma catástrofe.

    Como dito também, várias empresas hoje são especializadas no serviço de proteção e resiliência de dados. Contudo, são necessárias precauções quando for contratar tais empresas. Em um estudo feito em 2019, 74% das empresas entrevistadas responderam que usam mais de um fornecedor para proteção dos dados. Isso é perigoso porque, além de ser mais caro, tem um risco maior de sofrer ataques e de não conseguir recuperar os dados caso algo dê errado.

    Vendo o mundo como ele é hoje, fica evidente o quão importante é a proteção dos dados, e, também, o tempo de resposta em caso de problemas. O positivo é que não faltam opções de produtos e serviços para essa finalidade, é só saber em quem confiar – e confiar em um fornecedor só. E, para quem ainda acha que não precisa investir nisso, lembre-se que, hoje, informação = dinheiro, e ninguém quer perder dinheiro.

    Leave your comment

    Please enter your name.
    Please enter comment.

    Entre em contato conosco !