11 de abril de 2019

    SUA EMPRESA TEM UMA ESTRATÉGIA DE ARMAZENAMENTO DE HARDWARE?

    O avanço da tecnologia é algo que realmente não para, e eu acredito que estamos apenas começando. O que é excelente! Afinal, um dos maiores benefícios que as inovações tecnológicas trazem é o de facilitar a nossa vida, tanto pessoal quanto profissional.

    Hoje vou falar de uma inovação que está chegando e que irá causar um grande impacto positivo nas empresas, no que diz respeito à maneira como essas armazenam seus dados. Estou falando do SDS.

    Ainda não ouviu sobre ele? Então, esse é o momento para se atualizar sobre o assunto.

    O QUE É SDS?

    Antes de começar a falar sobre o SDS, vamos nos lembrar da importância de toda empresa ter uma boa estratégia para armazenamento de seus dados. Essas informações são, praticamente, a alma da empresa. Perdê-las ou ter dificuldade para acessá-las, é um transtorno que pode, inclusive, custar milhões, dependendo do tamanho da companhia.

    Por conta disso, toda estratégia que venha para beneficiar, dar mais segurança e oferecer a melhor forma de armazenamento desses dados é muito bem-vinda.

    Agora sim. Com essa ideia bem clara em nossa mente, vamos ao foco da nossa conversa de hoje: o SDS, que significa Software Defined Storage. Em uma linguagem mais simplificada é um armazenamento de dados em nuvem.

    Mas aí você me pergunta: essa é a novidade? Claro que sim! Pois aqui estamos falando de armazenamento em nuvem de um grande volume de dados, e que é independente do hardware utilizado — o que atualmente é um dos principais pontos que as empresas precisam depositar seus esforços de TI.

    Entretanto, explicá-lo assim de forma tão simplória não tira a importância e os benefícios que ele traz. Quer ver?

    Onde antes era necessário um grande investimento em hardwares para alcançar o armazenamento necessário, agora, através de um software, isso já é possível.

    A utilização do SDS permite que o software de armazenamento de dados não fique atrelado à capacidade do hardware para sua execução. Com isso, a utilização de qualquer hardware padrão dará conta do recado, rompendo assim o antigo conceito de armazenamento.

    QUAIS OS BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DO SDS?

    Além do benefício da independência hardware/software, vários outros chegam com essa nova forma de armazenamento. Vejamos agora os principais deles:

    EXPANSÃO DE ARMAZENAMENTO MAIS DINÂMICA

    Conforme a empresa cresce no mercado, seu volume de dados cresce junto. Com a utilização do SDS as empresas conseguirão facilmente expandir a capacidade de armazenamento desses dados, sem a necessidade de aquisição de novos hardwares para isso.

    REDUÇÃO DE CUSTOS

    Com a implantação do SDS as empresas poderão adquirir o software de armazenamento separado do hardware, já que um não depende mais do outro para o funcionamento. Além disso, poderão optar tanto pelo hardware quanto pelo software de sua preferência, pois esses já não estão mais condicionados um ao outro.

    Esse é um dos principais fatores que levará à redução de custos, já que, cada vez que a empresa precisar aumentar sua capacidade de armazenamento, não precisará adquirir novos hardwares. E caso precise, terá mais opções de escolha.

    MELHOR DESEMPENHO

    Outro ponto positivo com a implantação do SDS é o aumento e a melhora na capacidade de análise dos dados. O que leva, automaticamente, a uma melhor eficiência operacional.

    Aqui vale ressaltar também o aumento no desempenho dos servidores e do nível de proteção dos dados.

    De modo geral as empresas já estão optando cada vez mais pelo armazenamento gerenciado por softwares. Isso faz com que elas não precisem se preocupar com infraestrutura, e têm mais facilidade na migração dos dados para data centers em nuvens, quando necessário.

    Ou seja, não há dúvidas de que o SDS é uma tendência que deverá ser implantada muito em breve por todas as empresas. Pois, como eu disse no começo, tudo que venha para facilitar, melhorar, dar mais dinamismo e segurança, deve ser considerado e implantado.

    Fonte: CDT