20 de março de 2019

    Dicas de como obter melhores resultados ao interagir com os assistentes virtuais

    Tecnologia / Cada vez mais presentes no nosso cotidiano, os assistentes virtuais (softwares que imitam uma pessoa) estão evoluindo e se tornando uma alternativa para diversas tarefas profissionais e casuais. Utilizados em atividades que vão desde pesquisas sobre a previsão do tempo até atendimentos personalizados, a tecnologia já desponta como o futuro da computação.

    Prova disso é que nomes como “Siri” e “Cortana” já fazem parte do círculo do conhecimento de muita gente. Aposta de grandes empresas de tecnologia, os assistentes otimizam nosso dia a dia e acabam se transformando em colegas virtuais.

    Mesmo gerando medo e desconfiança em alguns e fascínio e curiosidade em outros, no geral ainda pode parecer engraçado o fato de conversar com um aparelho eletrônico. Quem desmistifica a questão é Sylvia Bellio, especialista em infraestrutura de TI da It Line Technology – Maior Canal de Vendas da Dell do Brasil.

    “Esses sistemas, cada vez mais comuns e utilizados nas mais diferentes vertentes, nada mais são que computadores que aprenderam com a gente. Nós fornecemos informações para eles durantes anos e por isso eles conseguem sugerir e resolver questões que décadas atrás só outro ser humano poderia responder”, explica Sylvia.

    A especialista pontua que os programas facilitam a nossa vida em dezenas de quesitos diferentes. Ao ter acesso ao seu celular, por exemplo, o assistente sabe dos seus gostos e consegue sugerir as respostas mais adequadas para o seu perfil.

    “Isso acontece quando pedimos ao assistente a previsão do tempo, por exemplo. A máquina já sabe onde você mora e fala a temperatura da sua região. Quando o celular te lembra de um compromisso também. Como você já anotou aquilo no calendário eletrônico, ele somente faz o alerta”, pontua.

    Os números envolvendo os assistentes virtuais

    Por causa dos incontáveis benefícios da Inteligência Artificial (IA), conceito pilar dos assistentes virtuais, o mundo viu nos últimos anos uma explosão da tecnologia. A evolução das antigas secretárias eletrônicas, que só gravavam e reproduziam chamadas telefônicas, agora está na cara de serviços como o “Watson” (IBN),”Alexa” (Amazon) e “Bixby” (Samsung), além das já citadas Siri (Apple) e Cortana (Microsoft).

    E os benefícios apresentados por sistemas que possuem IA fazem com que a área da computação receba investimentos nunca vistos antes. De acordo com o International Data Corporation (IDC), os investimentos neste tipo de tecnologia devem chegar ao patamar dos 77,6 bilhões de dólares em 2022. Para comparação, no ano passado os gastos no setor ficaram em cerca de 24 bilhões de dólares no mundo.

    As cifras no setor estão bilionárias justamente por causa da otimização que ferramentas assim causam no dia-a-dia das pessoas, empresas e até mesmo governos. 

    Funcionamento

    Por trás do aprendizado das IA”s estão conceitos como “machine learning” e “deep learning”. Sylvia pontua que o primeiro conceito é quando uma máquina é programada para absorver e identificar padrões nas informações aprendidas. O segundo, mais complexo, encadeia dados de forma mais específica e pode reconhecer imagens e sons.  

    “Inteligência Artificial é a capacidade de dispositivos eletrônicos de funcionar de uma maneira que lembra o pensamento humano. Ou seja, a partir disso os computadores conseguem perceber variáveis, tomar decisões e resolver problemas. Enfim, operar em uma lógica que remete ao nosso raciocínio”, pontua a especialista.

    Sylvia fala sobre o assunto com propriedade, pois possui, inclusive, um livro chamado “Simplificando TI”, que demonstra como a computação pode ser acessível a todos os públicos.

    Atualmente, até mesmo instituições como os bancos estão entrando na onda dos programas que simulam humanos. É o caso da “Bia”, assistente do Banco Bradesco, e a “Babi”, do Banco Inter. Nestes casos, a funcionalidade é chamada de “chatbox”. Adotado por lojas virtuais e grandes prestadores de serviços, o chatbox serve para tirar as dúvidas mais corriqueiras e encaminhar resoluções de problemas comuns dos clientes.

    “As empresas utilizam nomes de pessoas justamente para gerar aquela sensação de proximidade. É como se você estivesse conversando com um igual e não com uma máquina. O efeito de empatia que isso causa no nosso cérebro é extremamente importante”, diz Sylvia.

    Além disso, esse mercado também possui os “chatbots”. Eles são programas que conversam com o usuário, por texto, como se fosse outra pessoa digitando. O sistema já está implantado em grandes redes sociais como o Facebook e aplicativos de mensagem como o WhatsApp. Tanto chatbots quanto chatbox são menos complexos que os assistentes virtuais, que conseguem até mesmo lembrar de contextos e coisas ditas anteriormente.

    Dicas de como usar melhor os assistentes

    Por último, a especialista em tecnologia Sylvia Bellio elenca algumas dicas para utilizar os assistentes virtuais da melhor maneira possível:

    – Interaja com o assistente. Quando mais a tecnologia for requisitada, mais ela ficará com a sua cara, entenderá suas necessidades e o seu perfil;

    – Tenha em mente que para otimizar a ferramenta, os programas têm acesso a praticamente todos os seus dados que estão na rede. O acesso aos dados até pode ser bloqueado, caso você queira. Com isso, porém, o assistente ficará sem parâmetro para te ajudar com tarefas mais pessoais como sugestões de restaurantes, por exemplo;

    – Apesar de aparentarem saber de todas as informações possíveis, as máquinas ainda estão aprendendo. Quando for realizar uma busca, procure utilizar parâmetros claros e objetivos.

    – O conhecimento das máquinas é, em suma, o conhecimento humano. A diferença é que as máquinas possuem uma alta capacidade de armazenar informações e buscar por padrões. Apesar disso, elas ainda não são seres humanos e também não sabem responder sobre o sentido da vida;

    – Os assistentes virtuais já conseguem realizar compras e pedidos em lojas. Portanto, fique atento com crianças que usem o seu telefone. Não são poucos os casos, principalmente nos Estados Unidos, onde os pequenos fizeram gastos de centenas de dólares por engano. Para evitar este tipo de coisa, não fique logado automaticamente nas lojas;

    – Para evitar vazamentos dos dados apreendidos pelos assistentes virtuais, use antivírus.

    Fonte: http://www.agenciaoglobo.com.br/dinonews/Default.aspx?idnot=56539&tit=Dicas+de+como+obter+melhores+resultados+ao+interagir+co%20m+os+assistentes+virtuais